Dia do Patrimônio Histórico – Reflexões

Hoje, 17 de agosto, comemora-se o Dia do Patrimônio Histórico.

Não sei se é coincidência, mas também é o dia do Pão de Queijo, esse patrimônio criado nas cozinhas mineiras, na década de 1950, para o mundo. Um patrimônio imaterial, mas quase um ponto turístico para quem vem a Minas Gerais.

Coincidência à parte, o assunto Patrimônio Histórico é o tema desta reflexão. A foto que ilustra esse post nos fez pensar muito sobre o valor que damos ao patrimônio.

Em junho deste ano estivemos em Santana dos Montes, cidade mineira que integra o circuito de Fazenas e Villas da Estrada Real.

O Instituto Estrada Real, criado em 1999, tem como objetivo organizar, fomentar e gerenciar o produto turístico da Estrada Real.

 

Assim ficou conhecido o trecho, que abrange vários caminhos, passando pelos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. A maior rota turística do Brasil era, no século 17, o conjunto de caminhos e trilhas, oficializados pela Coroa Portuguesa, por onde percorriam o ouro e diamantes, das Minas Gerais até o porto do Rio de Janeiro.

A idéia de fazer desses percursos uma rota turística foi excelente.

Mas na realidade, hoje, nos deparamos com situações como esta, em diversos dos trechos: placas e cartazes de identificação rasgados, pichados, obras em péssimo estado de conservação.

Nesta foto se vê a luta solitária de não deixar o patrimônio histórico morrer…

A pergunta que fica é: quase vinte anos após a criação do Instituto Estrada Real, o que ficou das metas iniciais, e como o patrimônio histórico deste trecho, tão rico para as memórias brasileiras, tem sido administrado e preservado.

A discussão sobre o tema é política, não no sentido partidário, mas na essência do que deveria ser a ciência de organizar e administrar uma nação, dos micro aos macro pólos.

Assim, olhando para essas fotos, vendo o potencial, não só de Santana dos Montes, mas de cada cidade mineira que guarda um pouco do sangue, suor e história de nossos antepassados, ficam a indagação, a perplexidade diante da falta de estrutura turística em diversos trechos, e a expectativa de que a consciência de nossa cultura e história consiga driblar os desafios e definitivamente ser preservada para as futuras gerações.

 

Com duas frases impactantes termino essa reflexão, ressaltando que nós do Dedo no Mapa não queremos ser meros turistas de passagem pelos lugares, mas receber e poder deixar algo bom em cada local que conhecemos.

Essas palavras têm este intuito, e espero que façam coro com outras vozes.

“A cultura de um povo é o seu maior patrimônio
Preservá-la é resgatar a história, perpetuar valores,
é permitir que as novas gerações não vivam sob as trevas do anonimato.” Nildo Lage

“Um País que não preserva seu passado e sua História, não tem futuro….” Luiz Carlos Mathias

3 opiniões sobre “Dia do Patrimônio Histórico – Reflexões

  • agosto 18, 2017 em 12:04 pm
    Permalink

    Parabéns curti e aprendi mais sobre a história de minas e seus encantos.

    Resposta
  • agosto 18, 2017 em 12:14 pm
    Permalink

    O site está maravilhoso! Ótimos textos e imagens!!! Parabéns e sucesso sempre! beijos

    Resposta

Curtiu? Conta pra gente!